Trajetória :: Livros :: Galerias :: Fotos :: Poemas :: Crônicas :: Pensamentos :: Links :: Contato

 

Hoje, não quero ser cidadã

O telefone tocou, não atendi
Nem as contas paguei...
Não fui trabalhar
Uma falta levei

Fiz um bolo que, queimou
Raspei os restos de comida
Minha fome matou

Nem abri a janela...
O sol não entrou
Isolada do mundo
A noite chegou
As estrelas no céu
A janela ofuscou

A campainha tocou
Era um menino que passava
Não atendi, ele não importunou

Abri a janela
Na beira da calçada
O menino descansava
Franzino, com um pão na mão
Sua fome matava...

Levantou os olhos que me disseram:
- Preciso de você! Desça do trono!

Margot Carvalho