Trajetória :: Livros :: Galerias :: Fotos :: Poemas :: Crônicas :: Pensamentos :: Links :: Contato

 

TERREMOTO DE EMOÇÕES

O Rio de Janeiro foi palco duma tragédia desmedida, nunca imaginado, num país aparentemente passivo ao que se diz respeito: “ataque violento a crianças dentro de escolas “.

Há de se pensar que a mente doentia do assassino, vinha demonstrando ao longo do tempo, esquisitices.

Filho adotivo! Mãe com doença mental sem condições de criá-lo, que tentou suicídio...

Desde criança apresentava problemas comportamentais, imperceptíveis dentro da sociedade em que vivia, mas dentro de casa, preocupantes.

Teve um desempenho escolar satisfatório, nunca desrespeitou seus professores e colegas, enfim um ser humano aparentemente normal.

Somos incapazes de saber o que se passa na mente humana!

Vítima da herança mental da mãe: esquizofrenia; sua fragilidade emocional não era demonstrada a olhos nus.

Trabalhador, cumpria com seus deveres, era elogiado em seu desempenho pela seriedade e eficiência, falava pouco e só se alguém puxasse conversa.

Com a doença, isolou-se por completo e introspectivamente, fora do mundo real, criou seu próprio mundo.

Sentiu-se forte em suas ideias destrutivas, fazendo-se também parte integrante delas.

Arquitetou cada detalhe, passo a passo.

Com vozes a lhe falar constantemente, pois, a esquizofrenia, sem tratamento, deixa o ser humano a deriva de si próprio, seguia cada procedimento. Na internet procurou conhecimentos para que seu plano não falhasse.

No seu mundo introspectivo, suas ideias fervilhavam sem controle e obediência. Sentia-se tão poderoso! Fazia o que lhe convinha ninguém o perturbava, soberano, mandava e desmandava.

E no dia sete de abril de 2011, partiu tranquilamente para o terremoto de emoções que levou todo o Brasil às lágrimas.

Entrou na escola onde estudara, normalmente sem que ninguém o impedisse, fato que não deveria ser normal em nenhuma escola que tem como dever do Estado dar segurança e proteção aos alunos, mas há muito, a falta de investimento em EDUCAÇÃO, não se leva em consideração a integridade física e moral do aluno, nem do professor.

O ex-aluno teve livre acesso as dependências da escola, fato que estranhou a dois alunos que se viraram e observaram a vestimenta esquisita e a mochila que ele levava.

As escolas estão sem porteiros, inspetores, mesmo porque não oferecem perigo algum! Deixar escolas com portões abertos e crianças sem inspetores para orientá-las para quê? São auto-suficientes, sabem se cuidar sozinhas!

E com esse desleixo total por parte dos governantes, o assassino agiu livremente, sem impedimento algum, andou por onde quis e deu início ao massacre.

“ Ex - aluno não tem acesso livre na escola”!

Na cintura, um cinturão carregado e todo um carregamento bem planejado na mochila. Agiu covardemente, contra crianças descontraídas sem sequer imaginar o que lhes aconteceria. Atirou contra crianças inocentes que acordaram cedo, foram para a escola na esperança de concretizarem seus sonhos e sem nada entenderem o porquê e o para quê, estavam sendo assassinadas.

- “ Vou matar vocês. Não adianta fugir”

Os escolhidos eram enfileirados e a ordem: virarem-se para a parede. Gritavam e clamavam por suas vidas, mas o assassino cumpria sua missão com requinte de crueldade. Enfim chegara o dia da vingança e por mais que pedissem por suas vidas, nada adiantaria. Ninguém o deteria!

Professores pegos de surpresa, tentavam proteger seus alunos e se sentiam incapazes, pois não o conseguiam.

Numa sala, com atendimento a alunos especiais uma delas protegeu a alguns com seu próprio corpo.


E quanto sangue mais via, mais se entusiasmava, avançava sem piedade o objetivo era alcançar todas as salas e matar o maior número de alunos.

E a sociedade está em choque!

O que leva alguém a cometer tamanha atrocidade?

Como abrandar a dor do coração das mães que perderam seus filhos? E o sonho de cada jovem que foi ceifada a vida?

Meu Deus! Que terremoto emocional, avassalador devastou cada família, cada cidadão que jamais esquecerá, por mais que viva, vai encontrar explicação para o fato.

O país está de luto! Não houve um brasileiro que não se comoveu com tamanha tragédia!

Com a cabecinha cheia de sonhos, nossos brasileirinhos foram executados sem chance alguma de defesa.

Ouviam-se os gritos: - “ vou matar vocês. Não adianta fugir”

E outros gritos de desespero alastravam-se pela escola, redondezas. Alunos tropeçaram, caíam ensanguentados, mortos, deixando um rastro de sangue indefinido, enquanto o assassino carregava suas armas para atacar novamente.

O que podemos fazer para abrandar os corações sofridos, nem que seja um pouquinho só, a imensa dor, principalmente a das mães que nunca esperam enterrar seus filhos?

Por onde deveremos começar? Como vão voltar os alunos para estudar no palco da tragédia? E suas cabecinhas, como estarão? Será que um dia terão a coragem de ultrapassar o portão por onde tropeçaram para fugir do assassino?

A escola jamais será a mesma. Por mais que psicólogos trabalhem a cabeça dos pequeninos, o fato vivido, nunca será esquecido.

E as mães que perderam seus filhos? Só quem passa por tamanho sofrimento é capaz de imaginar o que seja a dor do coração de uma mãe ao perder um filho!

Filho, é a alma da mãe que se divide desde a hora da concepção! Cada filho, faz parte do Universo ao qual foi concebido.

Que Deus esteja convosco que lhe dê forças para superar a batalha que vem à frente, pois somente o tempo é capaz de fazer o milagre da conformação, nunca o esquecimento, mesmo porque eles sempre estão presentes dentro de nossos corações.

É muito difícil, mas lembre-se: mesmo diante de tanto sofrimento agradeça ao Senhor o presente divino, que por pouco tempo lhe foi confiado.
Coragem, coragem... é preciso continuar!

“ E entre folhas secas varridas pelo vento
Pássaros, frutos do amor, do afeto
levantam
voo...
Deixando na desesperança
O rastro amargo da saudade
sem fim...
Laços desprendidos
vidas ceifadas

E na irreal realidade,
a dor...
a perplexidade...

No esplendor da adolescência, sonhos perdidos
E o silêncio... o silêncio que não se cala

“SENHOR” , abriga teus anjos
Floresça a esperança que está adormecida
Nos corações que estão partidos

Sei que a cada clamor, por TI jamais será negado
E que só na TUA sabedoria, há explicação para o acontecido”.

Margot Carvalho