Trajetória :: Livros :: Galerias :: Fotos :: Poemas :: Crônicas :: Pensamentos :: Links :: Contato

 

Se eu pudesse...

Tive medo de sentir medo. Se pudesse, hoje, seria meu dia decisivo. Sabe por quê?

Meu melhor amigo morreu, ou melhor, se matou, overdose.

Mesmo assim, vendo isso tudo, não consigo parar, sou por demais covarde!

Fui covarde desde o início, quando me ofereceram. Pensei que soubesse tudo da vida, mas não sabia nada.

Sentia-me tão infeliz, achava-me perseguido, um verdadeiro prisioneiro.

Foi numa dessas crises, para me libertar, sentir-me homem de verdade que aceitei.

Nossa, a sensação foi demais, liberdade geral! Não devia obediência mais a ninguém, fazia o que queria e na hora que me desse na telha; os maiores disparates.

Levei minha família à loucura... e nem me importava com isso.

Quanto tempo já se passou e eu aqui, nesta agonia. Eu só não levo comigo as pessoas que mais amo; aquelas que tentavam me proteger. E eu nem percebia, achava perseguição.

Neste momento, meus neurônios estão em conflito. Ou será que ainda os tenho? Não foram destruídos totalmente?

De início, achei legal mesmo, até ganhava de graça.

Estava numa boa; fazia cada viagem!

E, na minha ingenuidade, pensava que eles eram meus amigos.

Hoje caminho alucinado atrás deles, que me surram, fazem-me praticar atos horríveis. Sou delinquente, já fui até preso.

Minha mãe quase morreu de desgosto, coitada, nada pode fazer. Querem me ajudar, mas, como já disse, sou muito covarde... Até já tentei... ou será...

Já não gosto mais de mim.


Estou cada vez mais no fundo do poço, sem esperança, com medo e sem vontade de viver.

É tão escuro, olho em torno e não encontro a volta.

Diante do espelho, sinto nojo de mim. Quanta covardia!

Mais um dia que começa e eu já estou com medo de sentir medo...

Sei que isso não vai durar muito, vou acabar como todos os outros. Overdose, assassinado... não importa a forma. Aqui deixo um recado pra você que lê o que acabo de escrever.

Achava a vida tão ruim, sem graça, cheia de deveres , uma droga. Agora lembro com saudade como eu era feliz e não sabia.

E eu mesmo sou o responsável por minha ruína.

A solução dos problemas que você porventura encontrar jamais estará na drogas. Diga NÃO, não se importe com o que vão pensar “os que estão na onda.”

Quem lhe oferece droga, não é porque goste de você, queira vê-lo feliz.

O objetivo deles é enriquecer, tirar de você sua alegria, sua vontade de viver, jogá-lo na sarjeta.

Como eu.

Margot Carvalho